O sonho intenso dos brasileiros cabe neste mundo?

Murilo Leal

Um sonho intenso é o título do mais recente documentário do diretor José Mariani, lançado em 2014. Mariani, que é também professor de Cinema e Documentário da PUC do Rio de Janeiro, já dirigira Cientistas brasileiros, sobre os físicos José Leite Lopes e Cesar Lattes e O longo amanhecer, cinebiografia do economista Celso Furtado.

Um Sonho intenso, com 1h40m de duração, foi apresentado no auditório da EPPEN em 14 de julho de 2014, com a presença do Diretor, e trata da construção, a partir do primeiro governo Vargas, do projeto de desenvolvimento nacional baseado na ampliação do mercado interno, na industrialização e na incorporação das massas trabalhadoras, discutindo seus impasses, contradições e estado atual. Coloca-se, assim, como parte do programa cinematográfico do autor, que podemos vislumbrar por sua afirmação: “Se Glauber Rocha dizia que o cinema não exclui a poesia, eu acrescento: o cinema não exclui a ciência.” De fato, os três documentários de Mariani apresentam e debatem ideias do campo da ciência, mas têm em comum, além disso, o interesse por cientistas comprometidos com um projeto de desenvolvimento nacional. Continuar lendo “O sonho intenso dos brasileiros cabe neste mundo?”

Anúncios

Curso de extensão: Imperialismo, fase superior do capitalismo


lenin

A Revista Amplitudes, do Departamento Multidisciplinar da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo (EPPEN/Unifesp), promove entre os dias 3 e 31 de outubro deste ano o curso de extensão “Imperialismo, fase superior do capitalismo – 100 anos da obra. As aulas, sempre às segundas-feiras, das 14h às 18h, serão realizadas no auditório do Campus Osasco: Rua Angélica, 100, Jardim das Flores, piso térreo.

O panfleto, publicado em 1916 por Lênin, é uma reflexão sobre a conjuntura do capitalismo na época em que se desenrolava a “Grande Guerra”, com a construção da hegemonia do capital financeiro nas nações onde algumas décadas antes (EUA, Inglaterra e França) havia hegemonia do capital produtivo. Adicionalmente, a revolução russa acenava seus passos que seriam dados em fevereiro, com a derrubada do czarismo e a ascensão menchevique, e a insurreição bolchevique de outubro de 1917. No livro o autor traz o conceito de imperialismo, o qual permeou diversos movimentos políticos no século que se passou à sua publicação e vem sendo resgatado no debate político internacional após a crise financeira de 2008 e as tentativas de sua superação salvando o capital fictício e produtor de juros. Continuar lendo “Curso de extensão: Imperialismo, fase superior do capitalismo”